Slow fashion e o motivo de repensar nas suas escolhas de consumo

Antes de chegarmos ao assunto que é o título deste post, por experiência própria, imagino que muitos ainda não estejam 100% familiarizados com os termos “fast fashion” e “slow fashion”. É claro que você sabe que fast fashion é sinônimo de lojas conhecidas e amadas por todos, tais como a Zara, HM, Primark e similares, que criam novas coleções várias vezes ao ano (nos deixando completamente ensandecidas!). E o slow fashion? Ouvimos falar sobre este movimento em algumas rodinhas de amigos, ou através de alguma matéria online, mas será que sabemos realmente sobre essa maneira de fazer moda que tem ares de revolução, ou para alguns, “coisa de hippie rico”?

Galpão gigantesco da Asos

Galpão gigantesco da Asos

Se você já leu esse post até aqui e pretende continuar a ler, seja porque achou interessante, ou quer ver se eu me tornei uma eco chata engajada com a sustentabilidade, bem, obrigada! Seja qual for o seu motivo, depois dessa leitura (e se prepara, pois é um post longo) você vai se tornar uma pessoa mais ciente do processo pelo qual a sua roupa passou e aprender melhor sobre os termos fast and slow fashion, e poderá optar, conscientemente pela forma que consome a sua moda.

Mas pri, você é fashion influencer (nome gourmet para blogueira), você não precisa estar sempre antenada com as novidades, e mostrar sempre as últimas tendências que saíram nas passarelas? E eu lhe respondo leitores, sim e não! A forma que eu pratico a moda, ao meu ver sempre foi algo diferente, pelo menos eu me sinto assim! Sempre gostei de misturar o antigo e o novo, o in e o out, um Hi-Low mottafucka crazy b*. Nunca consegui me definir por estilo nenhum, mal consigo definir que quero um cabelo só! Voltando ao tema fast and slow e euzinha no meio disso tudo, acho legal mostrar as novidades? Sim, mas de um tempo pra cá não consigo tirar da cabeça uma matéria que falava sobre a terra ter chegado no limite em que os recursos existentes já não se renovam no ritmo do que lhe é tirado, pra quem ainda não sabe, pode ler uma das várias matérias que saíram sobre o assunto AQUI. Basicamente isso significa que já estamos acabando com a terra pra valer! Não vai ter mais nada para as futuras gerações! Eu já optei por não ter filhos então fico aliviada de não ter descendentes meus a sofrer com escassez de comida ou água, mas pra quem pensa em te-los, não dá pra ignorar o tema, é algo sério a se pensar!

 

 

Agora falando sobre a minha forma de consumo, eu adoro comprar coisas novas, amo barganhas, levar três e pagar dois, comprar sapatos que não preciso no saldo, roupas diferentes, enfim, falou que é consumir, falou comigo mesma!

AKA05906BAN

 E depois de confessar minha forma desenfreada de consumir, ainda quero falar sobre slow fashion aqui? Sim! Pode-se dizer que eu estou em rehab de compras, sei que não estou curada, sei que tenho recaídas, mas isso não me dá desculpas para não querer mudar e pra falar sobre esse assunto com vocês, porque deve ser falado!

Todo mundo já sabe do preço caro que outras pessoas e o ambiente pagam pra que nós possamos comprar nossas jaquetas de “couro ecológico” cof cof, poluição, trabalho escravo, crianças costurando 20 horas por dia, minha intenção não é falar sobre todo o mal da fast, e sim contar sobre o movimento do slow fashion, e como todos nós reles mortais que não temos a carteira recheada, podemos aderir, fazendo uma transição suave e praticamente indolor, de vez em quando ainda vai doer passar por uma vitrine em saldos e não comprar aquela calça de 5 euros, mas vai valer a pena.

O movimento slow, ele já está em diversos setores, alimentação, cidades, saúde, vida profissional, em todas as áreas existem pessoas que estão pedindo basta a forma em que as coisas são feitas ultimamente, de forma rápida e muitas vezes superficiais. A slow fashion veio para inserir nesse meio tão comercial, um aspecto humano, criativo, e que preza a qualidade, o poder de criação autoral, e para os poéticos, uma roupa vista como arte, com alma, com uma história por trás de cada peça. Diferentemente do que segue a indústria da moda, com o forte incentivo ao consumismo e com roupas praticamente descartáveis, o slow preza por roupas duráveis, reutilizar e recriar, compras em brechós, conceito de faça você mesmo. É um consumir consciente.

Pra começarmos a aderir ao movimento slow, podemos otimizar nossas escolhas de compra, sempre antes de comprar uma roupa, pense se ela combina com o que você já tem em casa, nada de ficar inventando que também precisa de outra peça pra poder usar com essa que está em sua mão! Procure conhecer e apoiar lojas do comércio local que trabalham com produção de roupa em pequena escala. Pense em comprar de forma atemporal, os clássicos são eternos e servem para todas as estações! Sempre prezar a qualidade e não quantidade, e tenha o seu estilo, e não o que as lojas querem te impor.

Como já mencionei pra vocês, eu ainda estou em transição, e também não tenho muito dinheiro pra investir e trocar tudo de uma vez e finalmente dar tchau pra Zara. Estou seguindo alguns passos. O primeiro deles foi dar uma limpa no guarda roupas, tirei tudo e joguei pra cima da cama, e reavaliei peça por peça, tudo o que não era prático, não utilizado, que não servia mais, eu separei e doei. Essas escolhas também foram feitas de acordo com o que eu quero para o meu futuro com a moda, que é o minimalismo e peças que combinem entre si. Uma boa dica pra que as suas roupas sempre pareçam ser algo totalmente diferente é acessorizar, mudando o colar, bolsa, sapatos, criando sobreposições, um look nunca será igual ao outro e ninguém vai perceber que já é a quinta vez no mês que você está usando aquela camisa!

Depois de aprender mais sobre como aderir ao slow fashion, dá pra ver que não é esse bicho de sete cabeças que aparentava, não é mesmo? Agora é só procurar as marcas que apoiam e trabalham com esta idéia, e aos poucos começar a mudar o seu estilo de vida. Quando der por si, já vai fazer estas escolhas de forma automática e verá que está sobrando muito mais dinheiro para aproveitar momentos únicos ao lado de sua família!

Se você quer se aprofundar mais no assunto, e aprender melhor sobre o slow movement, acesse o SLOW MOVEMENT PORTUGAL que aborda de forma mais completa esse movimento importantíssimo para que tenhamos uma vida com mais qualidade e de forma responsável e sustentável.