Ana Wintour, a mulher por trás da lenda

 Anna WIntour, Editor-in-Chief of American Vogue  and Artistic director of Conde' Nast, speaks to the Oxford Union,Oxford,UK

Um corte bob com franjas, sinônimo de Anna wintour a décadas e que ainda se mantém como uma das características mais marcantes dessa mulher de personalidade forte.

Pode se dizer que o cabelo é só um grão de areia comparado a personalidade e feitos da famosa editora chefe da Vogue. Dotada de um humor sarcástico (ela já afirmou em um programa que só usa franja por ter tatuado um círculo na testa quando era jovem) e um forte senso crítico, Anna também apoia a causa LGBT, o feminismo, e consegue manter sua vida pessoal fora dos holofotes, o que garante uma aura de mistério sobre sua vida além Vogue.

Quando pensei em escrever sobre Anna Wintour, também não a conhecia muito, claro que sei a profissão da bonita, mas imaginava uma mulher muito mais rude e arrogante (graças ao filme!) do que a que encontrei em artigos e entrevistas sobre ela, e é com essa sensação de supresa boa, que compartilho com vocês esse artigo com algumas curiosidades sobre a vida deste ícone da moda!

Um dos primeiros trabalhos de Ana incitava o feminismo

Antes de se tornar "essa Anna", Wintour foi fashion editor para a New York Magazine e uma das matérias mais icônicas da época, foi sobre terno e alfaiataria feminina. Segundo ela, as mulheres sempre acabavam fazendo uma paródia dos ternos masculinos, cortes sem estrutura, tuxedos gigantes e camisas com gravatas. Agora, elas progrediram de paródias para algo ajustado, com um bom caimento. É inspirador ver como a editora chefe da Vogue representa as mulheres em posições que normalmente são ocupadas por homens. Na matéria "strong suits" víamos mulheres em salas de reunião vestidas com o novo guarda-roupas de trabalho da temporada, com textos que remetiam ao conceito de se vestir com confiança. Obviamente, não é uma surpresa que Anna tenha começado a injetar pequenas doses de feminismo em seus photoshoots no início de sua carreira, mas é muito legal ver o que esta mensagem parecia há mais de 30 anos atrás.

Anna Wintour foi homenageada pelo ativismo dos direitos LGBT

A campanha de Direitos Humanos anunciou que a escolheram como a destinatária do Ally for Iguality Award, apresentado por Escritor / diretor / Glee-mastermind Ryan Murphy. Diz o presidente da FC, Joe Solmonese: "Reconhecemos Anna Wintour por sua graça, dignidade, estilo, filantropia e generosidade. Estamos orgulhosos de honrá-la com o Prêmio Ally for Equality por seu compromisso com a comunidade LGBT por meio de seu trabalho com igualdade matrimonial, ativismo HIV / AIDS e campanha "It Gets Better". Wintour filmou um video endossando A igualdade matrimonial no estado de Nova York, e logo depois o estado legalizou as núpcias do mesmo sexo. Coincidência? Acho que não .

 

Ela sabe que tem vários hatters e não se importa

"Eu tento fazer o melhor trabalho que posso, eu tento ser a melhor mãe que posso, e se por algum motivo há pessoas que se ofendem com coisas que eu fiz ou com coisas que lêem que podem ou pode não ser verdade, não posso desperdiçar o meu tempo... Você não pode ser tudo para todos, e há coisas que entram no mundo público que nunca foram fundamentadas na realidade ".

Ela está engajada com o Centro de Ansiedade Juvenil, e quer trazer á tona questões como depressão e saúde mental.

"Eu acho que é devido a essa massa de informações que chega aos jovens, além da maneira como eles se comunicam online e quão vulneráveis les estão naquela idade. Só poderia deixas as pessoas ansiosas, Como não? É uma tonelada de informações que chegam a eles de várias formas. Sou tão grata por Lena Dunham e Emma Stone, que estão lá falando sobre essas questões e fazendo com que os jovens percebam que não estão sozinhos e que deve ser falado ".

Ela acredita que a chave para salvar as edições impressas é através do luxo

"Publicações impressas devem ser uma experência o mais luxuosa possível. Você tem que sentir exalando das páginas. Você tem que ver fotografias e peças de roupas que seria impossível ver em qualquer outro lugar."
 

Ela chorou no desfile da Yeezy (por motivos errados)

Wintour é conhecida por sempre chegar cedo aos desfiles de moda e por sair o mais rápido possível ao fim deles. Infelizmente, seus planos não correram muito bem no desfile da Yeezy season 3. Anna desabafou com Seth Meyers quando foi em seu late night show e falou sobre o tempo que ela se perdeu (e chorou) no porão do Madison Square Garden, seguindo o espetáculo de Kanye West no New York Fashion Week. 

"Eles me colocaram nesta enorme seção VIP, e eu era a única pessoa sentada lá por meia hora enquanto esperávamos que os Kardashians chegassem em peso ", ela diz a Meyers. Uma vez que eles se sentaram, o desfile finalmente pode começar e a coleção Yeezy foi revelada. Mas 45 minutos, diz Wintour, ela encontrou sua estratégia de saída: "Eu percebi que Jay Z tinha saído discretamente, então pensei que talvez eu pudesse sair depois dele sem ninguém percebesse. "A partir deste momento que o seu plano começou a ir por água abaixo. Em vez de fazer uma saída discreta, Wintour "escapuliu para o porão do Madison Square Garden", onde ela vagou por meia hora, sem encontrar um saída. Meyers levantou a hipótese de que talvez sua tendência de usar óculos de sol dentro de ambientes fechados fosse a culpada, no que Ana educadamente riu. "Eu estava realmente em lágrimas", ela diz, agora capaz de rir sobre a provação que o momento lhe causou. Ela, é claro, finalmente encontrou sua saída, com a ajuda de um guarda de segurança que depois passou a ser o treinador de beisebol da escola secundária de seu filho. Quais são as hipóteses disso acontecer?

Gente como a gente

Ela também assiste televisão nos momentos de descontração! "Oh, Homeland, Game of Thrones, que acabou de elevar a fasquia para todos. Eu me pergunto o quanto um desses episódios custa! Os trajes são tão bons. Mas eu não assisto Mad Men. Posso ver que é maravilhoso, mas é tão deprimente. Ou House of Cards. Todo mundo é tão malvado! Não há ninguém para torcer, e você sempre quer torcer para alguém".

E ela também já esteve envolvida em um escandalo midiático por causa de um caso extraconjungal com um texano milionário e casado em 1998, pondo fim ao casamento de 15 anos. 

 

 

 

 

 

Nem tão gente como a gente

8790643h

Aos 68 anos, Wintour continua sendo a imperadora por trás das edições da Vogue, já são 34 anos só de editora chefe! Ela recebe cerca de dois milhões de dólares anuais, além de todas as mordomias inerentes ao cargo, como 50.000 dólares para roupas que quase nunca compra, pois os estilistas mais famosos do mundo brigam para a vestir gratuitamente. Ela foi condecorada pelos serviços prestados à moda e ao jornalismo. Nomeada Dama Comandante da Ordem do Império Britânico. Recebeu a distinção dada por Isabel II no Palácio de Buckingham, em Londres.

Ela não se considera um ícone

"Eu não penso em mim mesma dessa maneira. Eu me levanto todas as manhãs, eu trabalho, tento fazer o melhor trabalho possível, seja para Condé Nast ou para o museu ou qualquer outra coisa que eu possa estar envolvida, mas sabe, não estou pensando, eu sou um ícone. Eu espero ser tão boa quanto eu posso no que faço, mas não acordo de manhã pensando, vou dar um excelente exemplo hoje!"

Seja fazendo carão na primeira fila dos desfiles, defendendo causas e se engajando fortemente nelas, Anna Wintour é uma mulher poderosíssima e de várias facetas, e aí, ficaram surpresos?